AMPHIBIAWEB
Adenomera hylaedactyla
Dark-spotted Thin-toed Frog
family: Leptodactylidae
subfamily: Leptodactylinae

© 2012 Andrés Acosta (1 of 5)

 view video (1890.3K MPG file)
  hear Fonozoo call

[video details here]

Conservation Status (definitions)
IUCN (Red List) Status Least Concern (LC)
CITES No CITES Listing
Other International Status None
National Status None
Regional Status None

   

 

View distribution map using BerkeleyMapper.

Source credit:
Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazonia Central by Lima et al. 2005


INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia)
PPBio (Programa de Pesquisa em Biodiversidade)
PELD (Pesquisas Ecológicas de Longa Duração)

Authors: Albertina P. Lima, William E. Magnusson, Marcelo Menin, Luciana K. Erdtmann, Domingos J. Rodrigues, Claudia Keller, Walter Hödl

Distribuição na RFAD: É comum nas bordas externas da reserva e em áreas perturbadas.

Distribuição geral: Amazônia do Brasil, Bolívia, Peru, Colômbia e em algumas partes da Venezuela, e Guiana, Suriname e Guiana Francesa.

Descrição: Machos 22-24 mm, fêmeas 26-27 mm. O dorso tem várias tonalidades de marrom, com algumas manchas escuras. Duas linhas de glândulas são bem definidas na região dorsolateral. A distância dos olhos até a ponta do focinho é uma vez e meia o diâmetro do olho. O ventre, o tórax e a região gular são brancos, mas a parte posterior do ventre e o interior das coxas são amarelados. A íris é de cor bronze.

Espécie semelhante: Adenomera andreae se diferencia por possuir focinho menor (aproximadamente uma vez o diâmetro do olho), linhas dorsolaterais finas de glândulas pouco perceptíveis a olho nu, região peitoral e inferior dos braços mais escura que o abdômen, parte posterior do ventre e o interior das coxas acinzentadas.

História natural: Terrestres, diurnos e noturnos. São encontrados principalmente em áreas abertas e margens de florestas. Alimentam-se principalmente de besouros, diplópodos e formigas. Reproduzemse durante todo o ano, mas com um pico na estação chuvosa (dezembro-maio). Os machos vocalizam sobre o solo, escondidos embaixo de folhas e galhos caídos. Os machos escavam pequenos buracos no solo, onde a fêmea deposita cerca de 15 ovos em um ninho de espuma. Os girinos desenvolvem-se até a metamorfose dentro do ninho, vivendo exclusivamente de suas reservas nutritivas.




Feedback or comments about this page.

 

Citation: AmphibiaWeb. 2020. <http://amphibiaweb.org> University of California, Berkeley, CA, USA. Accessed 5 Jul 2020.

AmphibiaWeb's policy on data use.